Semana das crianças


Na nossa escola comemoramos com muita alegria a semana das crianças. Foi muito legal, divertido e emocionante. Tivemos várias atividades como a sala das brincadeiras populares: dança da cadeira, estoura balão, dança da laranja e outras; sala do bingo com muitos prêmios; cineminha no telão com pipoca; sala de artes com pintura, dobraduras e origames; sala da contação de histórias com livros animados e fantoches; competições na quadra com futebol; pula-pula e lanche coletivo.
Weslania Maria de Sousa - 4º ano A manhã

Histórias Fantásticas

 
Através deste joguinho escolhemos os temas, montamos os cenários com os objetos e personagens e produzimos textos com a nossa imaginação e fantasia. Uma aula bem diferente e divertida.

Todos nos produzimos um texto na aula na informática . Cada texto tinha um tema e o meu foi sobre o sertão. Eu coloquei todos os animais, todas as pessoas e cada objeto para ter o que falar. 
Meu texto foi sobre a vida no sertão, uma maravilha.
 

Ana Lívia Rodrigues Ribeiro  4º ano B / Manhã 

Culminância do Projeto Artista da Escola


HÉLIO RÔLA
Francisco Hélio Rôla, 72, foi menino grafitando calçadas e muros do bairro com pedaços de carvão, telha ou tijolo branco.  Informalmente alfabetizado em desenho por uma senhora da vizinhança, passa a estudar na Sociedade Cearense de Artes Plásticas (SCAP) no fim dos anos 40. Mas cresce médico, pesquisador.
E ao longo do tempo, Hélio firma-se como artista de produção múltipla trafegando pela pintura, gravura, colagem, escultura e desenho. Agita movimentos artísticos como o Grupo Aranha, que denunciava em murais a degradação da Praia de Iracema, e o Grupo Tauape, de resgate à tradição cearense da xilogravura.
http://www.enciclopedianordeste.com.br/nova300.php

Projeto: Artistas da nossa escola

Reprodução da arte Composição do artista Francisco Hélio Rola no KolourPaint

Participação no prêmio Peteca

Rap Arrastão diferente
video


T de Tiago, I de Ismael,
P de Paulinho e N de Natanael. (BIS)

Dia de semana não viajo mais
pois tinha um PM no banco de trás
Eu e meu parceiro da paz e amor
Fomos abordados pelos canas do terror.

Eu não estou fazendo nada
só indo pra escola
em vez de roubar
prefiro pedir esmola.

A arma que eu levo
não é uma pistola
A arma que eu levo
é só o meu livro da escola.(BIS)

Arrastão
quem diria
por isso que pulei
o muro da periferia.(BIS)

Um crime marginal
começou no rio
e virou manchete nacional.
Acorre Fortaleza
na Avenida Beira Mar.

Quinze de agosto
é dia de Iemanjá
Na Praia do futuro
é grande multidão
todo mundo corre
Quando vem um arrastão.

Eu faço arrastão diferente
que arrasta muita gente
de maneira consciente.

Chegou segunda-feira
O jovem fica em decisão
nós temos que fazer
o nosso próprio arrastão

E ai macho velho
você se declarou
que o movimento arrastão
surgiu no Luxou

Não tem uma praça
nem uma quadra
por isso que as pessoas
vivem revoltadas na TC comunitária

Cadê o valor
tá na sociedade
mas chegou o arrastão
que já vem arrastando
o jovem pra fazer rap rimando.(BIS)

Eu tenho uma proposta
que te convido com moral
fazer squash original
é só segui contexto com
essa terminação
temos que encontrar
nosso próprio arrastão

Ele disse que a mazela
só existe na favela
A gangue de política
são a grande causa delas.

Vou falar uma palavra
que se chama atitude
nos temos que saber
o valor da juventude.

Eu vou falar com o MC
é ele o porta voz
articula rima que solta sua voz
no muro postetando com grafite
As drogas impoluir o pensamento
o break é a raiz do movimento
o crime te leva na consciência
essa mensagem é positiva
que vem do coração
é isso ai pode crer
esse é o rap da nação.
Compositores: Paulo José Melo da Silva


Natanael Almeida Ramos



http://www.sme.fortaleza.ce.gov.br

Homenagem a Pátria

Você sabe o que aconteceu no dia 7 de setembro de 1822?
Independência do Brasil!

Fique por dentro...

Capoeira

Na apresentação de capoeira pelo grupo da comunidade, com a participação de alunos da escola, tivemos belíssimas representações dos passos desta dança que faz parte do nosso Folclore.
O projeto capoeira Zumbi é desenvolvido na comunidade e atende aos alunos da nossa escola.

Raízes africanas 
A história da capoeira começa no século XVI, na época em que o Brasil era colônia de Portugal. A mão-de-obra escrava africana foi muito utilizada no Brasil, principalmente nos engenhos (fazendas produtoras de açúcar) do nordeste brasileiro. Muitos destes escravos vinham da região de Angola, também colônia portuguesa. Os angolanos, na África, faziam muitas danças ao som de músicas. 
Os senhores de engenho proibiam os escravos de praticar qualquer tipo de luta. Logo, os escravos utilizaram o ritmo e os movimentos de suas danças africanas, adaptando a um tipo de luta. Surgia assim a capoeira, uma arte marcial disfarçada de dança. Foi um instrumento importante da resistência cultural e física dos escravos brasileiros.
http://www.suapesquisa.com/educacaoesportes/historia_da_capoeira.htm 

Arte e Reciclagem

Explorando materiais recicláveis, numa oficina de brinquedos populares, despertamos o uso consciente e o interesse em preservar o Planeta.
Criamos, brincamos com vários brinquedos de sucata e aprendemos muito na creche durante o desenvolvimento deste projeto.

Educação Infantil - Desenvolvendo Saberes

 
Arte - Desenho e Pintura
 Dia do estudante
Dejejum - Lanche coletivo
Hora da Brincadeira

Hora da historinha
Hora da saída
Atividade sobre o trânsito
Desenvolvendo a coordenação motora com alinhavo
Parquinho
Brincadeiras no parquinho

Hora do conto
Visita à biblioteca
Interagindo com a leitura
Cineminha na informática
Festividade no dia da criança
Compartilhando - Culminância de Projetos